Relações Internacionais

Faça aqui a sua candidatura.

Oferta de 4 Bolsas a atribuir aos candidatos dos Mestrados em Estudos da Paz e da Guerra e do Mestrado em Relações Internacionais (primeiro critério: alunos que tenham efectuado cursos na Autónoma).

A actualidade trouxe-nos uma evidência: os processos políticos, económicos e sociais estão cada vez mais internacionalizados. Não se pode, pois, estranhar o crescente relevo dos estudos das relações internacionais, estudos esses que se afirmaram como uma área científica própria no quadro do ensino universitário.

Todavia, com a redução dos anos requeridos para a obtenção da Licenciatura, surgiu a necessidade de um tempo complementar de aprofundamento das competências adquiridas pelos Licenciados tanto em Relações Internacionais, como em outras áreas do saber. É essa a vocação do Mestrado em Relações Internacionais (2º ciclo de estudos): levar mais longe as capacidades de análise das complexas interacções mundializadas, articulando o tema central da política internacional com as abordagens de outras disciplinas, como o Direito e a Sociologia, mas sobretudo com a Economia, dada a importância da internacionalização económica para além das fronteiras convencionais.

O Mestrado em Relações Internacionais está estruturado em 4 semestres compreendendo a realização de 120 ECTS tendo sido constituído pelo anúncio nº 261/2013 – 2ª série – Nº 143 – 26 de Julho do Diário da República. O Mestrado encontra-se acreditado pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (NCE/12/00151).

Calendário

A duração normal deste curso é de 4 semestres.

O cumprimento da assiduidade e dos trabalhos de avaliação permitem obter no final um total de 120 ECTS.

As aulas decorrem normalmente de Outubro a Fevereiro (1.º Semestre) e de Março a Junho (2.º Semestre). As aulas ocorrem em três dias semanais, normalmente dois dias consecutivos (Segundas e Terças) e um terceiro dia (Quintas), entre as 18h30 e as 22h30.

    Plano Curricular

    - Professor Doutor Luís Moita - Prof. Doutor Ricardo Sousa

    • Dotar aos alunos de instrumentos teóricos e metodológicos que lhes permitam investigar, analisar, interpretar e ainda reflectir sobre a realidade internacional/global e continuando o trabalho efectuado em Teoria das Relações Internacionais I (semestre anterior);
    • Identificar, seleccionar e avaliar fontes de informação documentais e bibliográficas a partir dos seus autores e sobre as Relações Internacionais:
      • Aproximar os alunos ao mundo das ideias, conceitos centrais e interpretações dos principais representantes nas várias perspectivas para o estudo das Relações Internacionais;
      • Demonstrar a validade dos modelos ditos tradicionais e a oportunidade dos modelos teóricos que se enquadram numa perspectiva mais moderna das Relações Internacionais;
      • Identificar e compreender os pontos de encontro e desencontro entre paradigmas.

    - Prof.ª Doutora Patricia Galvão Teles

    • Aprofundar conhecimentos sobre as tendências atuais do Direito Internacional;
    • Desenvolver a capacidade de reflexão crítica sobre a matéria, bem como adquirir metodologias de investigação específicas no contexto de uma abordagem jurídico-internacional;
    • Conseguir aplicar os conhecimentos adquiridos numa perspetiva de investigação multidisciplinar, que envolva as Relações Internacionais e o Direito Internacional Público;
    • Aplicar os conhecimentos adquiridos a questões concretas contemporâneas.

    - Prof. Doutor Luís Tomé

    • Adquirir o quadro teórico e metodológico no âmbito da geopolítica e da geoestratégia adequado ao conhecimento e análise do comportamento das chamadas “grandes potências” e dos factores de instabilidade e conflitualidade ao nível internacional e regional;
    • Desenvolver uma atitude de reflexão crítica sobre as políticas e as estratégias das grandes potências;
    • Compreender o quadro geopolítico-geoestratégico mundial e os factores e as dinâmicas de instabilidade em certas regiões geoestratégicas.

    - Mestre Pedro Pinto - Mestre Henrique Morais

    • Compreender a situação atual das principiais economias, seus padrões de crescimento e desafios que se colocam;
    • Identificar os movimentos de rotação do motor do crescimento económico mundial rumo a oriente e às economias emergentes;
    • Descrever a ascensão das economias do Hemisfério Ocidental e da Ásia Oriental;
    • Reconhecer os desafios que se colocam à Área do euro;
    • Identificar os problemas estruturais da economia norte-americana.

    - Prof. Doutor Miguel Santos Neves

    • Aprofundar os conhecimentos sobre diferentes perspetives teóricas relativas à política externa e seus processos de formulação e implementação;
    • Compreender os modos e processos que os atores internacionais, Estados e atores não-estatais, adotam para formular decisões e estratégias no relacionamento com outros atores da comunidade internacional, incluindo através da análise de estudos de caso;
    • Analisar, através de estudos de caso, as políticas externas de grandes potências e países emergentes procurando compreender o impacto da opinião pública e do funcionamento de sistemas políticos democráticos e não democráticos sobre a política externa;
    • Desenvolver as capacidades de comunicar ideias e expor argumentos numa perspetiva de participação no debate público;
    • Promover a aquisição de competências de investigação sobre as temáticas das Relações Internacionais e da formulação e implementação da política externa.

    - Profª. Doutora Nancy Elena Ferreira Gomes

    Esta unidade curricular tem como objectivo aprofundar a actual problemática da governação global com os seus variados atores. Neste sentido, propõe-se o estudo das tensões entre a globalização das questões e a escala nacional dos centros de decisão políticos bem como das possibilidades e obstáculos da governação global.

    O programa incide, ainda, na análise da dualidade entre instituições formais de governação (como o sistema das Nações Unidas, pactos militares, organismos regionais) e instituições informais (como o G-8, G-20, Cimeiras da Terra, Fórum Económico Mundial de Davos) e do papel dos organismos multilaterais enquanto instrumentos de gestão da globalidade e na avaliação da influência de outros atores designadamente das organizações não-governamentais e da sociedade civil, promovendo uma reflexão crítica sobre os desafios e perspectivas de evolução.

    Gerais:

    • Adquirir a abordagem teórica e metodológica adequada ao conhecimento;
    • Identificar, seleccionar e avaliar fontes de informação documentais e bibliográficas;
    • Desenvolver capacidade de reflexão crítica referente à matéria;
    • Dotar os alunos com conhecimentos sólidos.

    Específicos:

    • Estudar a origem e o desenvolvimento do multilateralismo;
    • Identificar as contribuições teóricas para o estudo da disciplina;
    • Analisar o papel dos Estados, das Organizações Internacionais e de outros actores internacionais no processo de evolução do multilateralismo;
    • Identificar as possibilidades e os principais obstáculos da governação global.

    - Profª. Doutora Brigida Brito - Prof. Doutor Filipe Vasconcelos Romão

    • Conhecer os principais processos de natureza transnacional que ocorrem nas sociedades contemporâneas, tanto na sua teorização como nas suas práticas;
    • Compreender a actual importância da interacção entre as sociedades e a dimensão sociológica das interdependências, com relevo para os movimentos sociais;
    • Identificar os fluxos culturais e informacionais que actuam num mundo sem fronteiras;
    • Compreender os impactos decorrentes dos movimentos de pessoas a nível internacional;
    • Apreender os presentes debates em torno do multiculturalismo;
    • Compreender os modos como as opiniões públicas e as dinâmicas sociais agem sobre os centros de decisão política;
    • Reflectir criticamente novos temas de actualidade, como sejam o da “sociedade civil global” ou da “democracia cosmopolita”.

    - General Luís Valença Pinto

    • Aprofundar os conhecimentos teóricos e metodológicos necessários ao conhecimento e à crítica do saber referente a questões essenciais do âmbito da Segurança e Defesa;
    • Identificar, avaliar e seleccionar fontes de informação documentais e bibliográficas relativas ao estudo das questões da Segurança e Defesa;
    • Desenvolver atitudes e comportamentos alicerçados nas capacidades já adquiridas, assim como ampliar a atitude de atenção e reflexão sobre as questões da Segurança e Defesa.

    - Prof.ª Doutora Ana Furtado

    A finalidade deste seminário é os alunos ficarem aptos a entenderem:

    • o modo de funcionamento da interdependência das economias nacionais;
    • o funcionamento dos mercados em economia aberta;
    • o efeito das políticas macroeconómicas nesse contexto.

    Depois de uma abordagem às diversas explicações que justificam o comércio internacional, o modelo Mundell-Fleming será utilizado com base de trabalho que explica a necessidade de equilíbrio interno e externo.

    Por último dar-se-á o enquadramento teórico e empírico do funcionamento de uma área monetária desenvolvendo-se o caso concreto da integração de Portugal na União Económica e Monetária.

    - Profª. Doutora Brigida Brito - Profª. Doutora Nancy Elena Ferreira Gomes

    • Familiarizar os mestrandos com conceitos, problemas centrais e práticas fundamentais inerentes ao processo de investigação em Ciências Sociais;
    • Fornecer uma compreensão sobre o procedimento científico e as dimensões fundamentais do processo de investigação em Relações Internacionais;
    • Promover o desenvolvimento de uma consciência ética e crítica em torno das atividades de investigação e produção do conhecimento científico tendo presentes os objetivos definidos e o campo de estudo;
    • Capacitar o mestrando para o desenvolvimento de práticas de investigação apoiadas na formulação de um problema, na argumentação racional e logicamente elaborada, na pesquisa, sistematização e organização da informação;
    • Dotar o aluno de instrumentos orientados para a comunicação escrita e oral estruturada, clara e consistente dos objetivos, métodos, resultados e fontes utilizadas.

    O segundo ano do mestrado em Relações Internacionais, 3º e 4º semestres, correspondem ao desenvolvimento do projeto de investigação e sua realização orientado por um professor doutorado da Universidade Autónoma de Lisboa.

    Caso se considere apropriado poderá existir um orientador externo à Universidade Autónoma de Lisboa, tendo nestes casos de existir um coorientador que seja um doutorado docente na UAL.

    O mestrando(a) poderá desenvolver o trabalho sobre um tema inserido nas linhas de investigação do OBSERVARE – Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa e da área de investigação do orientador de dissertação de mestrado.

    No 3º semestre o mestrando(a) apresenta o seu projeto de investigação, que é submetido para aprovação na Comissão Científica do Departamento de Relações Internacionais e da Universidade Autónoma de Lisboa.

    Após a aprovação do projeto o mestrando(a) realiza a investigação até ao momento de submissão da dissertação no 4º semestre, que é defendida em provas públicas perante um júri.

    O segundo ano do mestrado em Relações Internacionais, 3º e 4º semestres, correspondem ao desenvolvimento do projeto de investigação e sua realização orientado por um professor doutorado da Universidade Autónoma de Lisboa.

    Caso se considere apropriado poderá existir um orientador externo à Universidade Autónoma de Lisboa, tendo nestes casos de existir um coorientador que seja um doutorado docente na UAL.

    O mestrando(a) poderá desenvolver o trabalho sobre um tema inserido nas linhas de investigação do OBSERVARE – Observatório de Relações Exteriores da Universidade Autónoma de Lisboa e da área de investigação do orientador de dissertação de mestrado.

    No 3º semestre o mestrando(a) apresenta o seu projeto de investigação, que é submetido para aprovação na Comissão Científica do Departamento de Relações Internacionais e da Universidade Autónoma de Lisboa.

    Após a aprovação do projeto o mestrando(a) realiza a investigação até ao momento de submissão da dissertação no 4º semestre, que é defendida em provas públicas perante um júri.