Doutoramento em História

Diário da República, 2ª série - N.174 - 10 de setembro de 2007

O Doutoramento em História do Departamento de História, Artes e Humanidades da Universidade Autónoma de Lisboa forma doutores com capacidade de investigação própria e de integração em projetos coletivos, desenvolvidos em centtros de investigação de excelência.

O curso possui um plano curricular assente em um conjunto de conhecimentos teóricos e epistemológicos bem como um acervo de metodologias e técnicas de investigação que habilitam os alunos a produzir um trabalho científico com elevada qualidade, inovação e interesse social. Sua estrutura flexível ancorada em seminários de investigação em diferentes áreas historiográficas e no acompanhamento tutorial por parte de corpo docente altamente qualificado, atende as necessidades de formação de cada doutorando.

Os padrões do Doutoramento estão perfeitamente alinhados com a Declaração de Lisboa sobre Humanidades, Investigação Aberta e Inovação redigida durante a Conferência Europeia das Humanidades, em 2021, pelo CIPSH-UNESCO (International Council for Philosophy and Humanistic Studies).

 

A Universidade Autónoma de Lisboa é a mais antiga universidade privada de Portugal. Desde a sua fundação que a Universidade Autónoma oferece uma gama de formações avançadas na área de História, cuja taxa de empregabilidade de 94%* demonstra a qualidade e o sucesso dos seus programas.

* Dados obtidos pela Direção Geral de Estatísticas de Educação e Ciência junto do IEFP e consultados em fevereiro de 2021.

 

    Plano Curricular

    - Adolfo Silveira Martins - José Amado Mendes

    Trabalho alicerçado em alguns suportes fundamentais. Na presente unidade curricular desenvolvem-se as seguintes competências, de modo a:

    • Aprofundar o estudo das várias concepções historiográficas ? incluindo as respectivas teoria e filosofia da história ?, não só as tradicionais, em geral melhor conhecidas, como as mais recentes: nova história económica, história cultural, regresso da narrativa, história virtual e história do presente;
    • Prestar especial atenção à temática, planificação e hipóteses de trabalho;
    • Explorar e criticar as fontes: escritas, orais, materiais, literárias, artísticas;
    • Recordar o papel da história serial, no âmbito da nova história;
    • Aprofundar a metodologia do tratamento das fontes e da elaboração do texto histórico;
    • Manusear, adequadamente, as referências bibliográficas e das fontes;
    • Aperfeiçoara o modo de ilustração: gráficos, quadros, imagens fotográficas, reprodução de documentos, etc.;
    • Cuidar da apresentação gráfica

    - Armando Carvalho Homem - Maria Helena Macedo - Miguel Faria

    Cada aluno terá de se debruçar sobre um assunto de interesse histórico, de qualquer época e de qualquer tema (político, religioso, social, entre tantos outros) e apresentar um plano concreto, com objectivos específicos, de modo a poder desenvolver o trabalho por fases, não necessariamente seguidas, pois pode escrever o primeiro capítulo não em primeiro lugar, mas em todos os capítulos tem de haver uma harmonia e um seguimento de pensamento lógico.

    O plano deve ser apresentado de um modo sintético, mas perfeitamente elaborado de forma a ser, como já foi dito, perceptível sob todos os pontos de vista.

    - Armando Carvalho Homem - Maria Helena Macedo

    A opção historiográfica escolhida para o seminário fundamenta-se na ideia de que os factos históricos resultam dos esquemas de interpretação teórica que, no caso do conhecimento do período moderno, confluem entre a filosofia, a sociologia, a história e o direito. Assim, os objectivos da unidade curricular são os seguintes:

    • Fornecer uma utensilagem conceptual adequada ao estudo da modernidade;
    • Articular essa bagagem conceptual com as linhas de orientação teórica dos seus autores de referência;
    • Aplicar esse conhecimento teórico para interpretar a «realidade» europeia no domínio político, social, cultural e das relações internacionais;
    • Conhecer as estruturas estruturantes dos sistemas políticos e sociais em Portugal entre a Restauração e o Liberalismo;
    • Interpretar a evolução e a ruptura dos modelos de governo e administração ;
    • Explicar e compreender a relação entre as invasões franceses e a emergência do liberalismo.

    - Adolfo Silveira Martins

    • Definir o contexto das arqueo ciências na defesa e salvaguarda do Património Cultural
    • Fornecer recursos conceptuais necessários à intervenção arqueológica.
    • Caracterizar a natureza da intervenção arqueológica e a sua aplicabilidade
    • Descrever o processo de preparação de uma intervenção arqueológica.
    • Identificar e aplicar as diversas metodologias de intervenção arqueológica no campo, ao nível dos processos e estratégias.

    - Miguel Faria

    O seminário procura situar o aluno na diversidade de especializações existentes no âmbito da disciplina de História de Arte, como pressuposto para o escrutínio da metodologia mais adequada ao projecto de investigação a desenvolver.

    O âmbito cronológico será delimitado entre o período final da Monarquia Absoluta à II República (1750-1974), elegendo como tema central as manifestações de Arte Pública, vista em contexto europeu, através de estudos de caso em ambiente de estabilidade e crise política, numa perspectiva pluridisciplinar.

    Procura-se suprir a lacunahistoriográfica existente, aberta na fronteira entre a História da Arquitectura e do Urbanismo, devendo o aluno ficar apto a uma leitura integrada da Arte Pública nos respectivos contextos, e habilitado ao reconhecimento dos aspectos mais específicos (artísticos e simbólicos) dos monumentos em análise.

    Procura-se criar competências para o desenvolvimento de estudos monográficos.

    - José Amado Mendes

    • Aquisição de conhecimentos e competências sobre:
    • O que é uma tese de doutoramento;
    • Para que serve uma tese de doutoramento;
    • Como se faz uma tese de doutoramento;
    • Como fazer investigação;
    • Organização formal de uma tese de doutoramento;
    • Função do orientador;
    • Orientação conjunta e sua especificidade;
    • Apresentação e discussão pública da tese.