Universidade Autónoma de Lisboa
  • pt-icon
  • en-icon
Above Content

Doutoramento em Relações Internacionais

DR, 2ª Série, Nº 196, de 7 de outubro de 2015, Anúncio nº 234/2015.

Search

Pesquisa
Content
left side
Professor Doutor  Luis Tomé

Coordenador

Professor Doutor Luis Tomé

ltome@autonoma.pt

Doutor em Relações Internacionais pela Universidade de Coimbra, Mestre em Estratégia pelo ISCSP da Universidade Técnica de Lisboa e Licenciado em Relações Internacionais pela Universidade Autónoma de Lisboa (UAL).
Professor Associado na UAL, onde coordena o Doutoramento em Relações Internacionais: Geopolítica e Geoeconomia. 
Coordenador Científico do OBSERVARE-Observatório de Relações Exteriores da UAL, unidade de investigação credenciada pela FCT. Subdiretor do Anuário Janus e da revista científica Janus.net, e-journal of international relations, esta indexada nas mais importantes bases internacionais (B-ON, Dialnet, Latindex, DOAJ, Ebsco, Redalyc, Scopus). 
Professor Convidado do Instituto da Defesa Nacional (IDN), do Instituto Universitário Militar (IUM) e do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI) e Visiting Professor de La Sapienza Universitá di Roma-Itália e da Middle East Technical University (METU) de Ancara-Turquia. 
Desde novembro 2015, é Adjunto/Técnico Especialista para as Relações Internacionais e o combate ao terrorismo no Gabinete da Ministra da Administração Interna.
Foi Investigador da NATO-EAPC (elaborando o relatório "Russia and NATO’s Enlargement”, 2000) e Assessor do Vice-Presidente do Parlamento Europeu, Dr. José Pacheco Pereira, durante a legislatura 1999-2004 (acompanhando designadamente a Comissão dos Negócios Estrangeiros do PE). 
Foi ainda Professor Convidado do Instituto Superior de Ciências da Informação e da Administração de Aveiro (ISCIA) e da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC). 
Investigador nas áreas das Relações Internacionais, Geopolítica e Estudos de Segurança especializado nas regiões Euro-Atlântica, EurAsiática e Ásia-Pacífico, é autor e co-autor de mais de uma dezena de livros e de inúmeros ensaios e artigos publicados nas revistas da especialidade. 
Analista residente do programa "Olhar o Mundo” da RTP e especialista convidado de vários órgãos de comunicação social, analisando e comentando assuntos de política internacional e segurança.


Unidade Central de Apoio Académico 
(Mestrados e Doutoramentos / Apoio aos Departamentos)
Rua de Santa Marta, nº 47, 3º andar
Horário de atendimento:
2ª a 6ª feira das 9h30 às 19h
Telefone: (+351) 21 317 76 00

Article / Section
Home > > >

Condições de acesso e ingresso

Conforme Regulamento Geral de Mestrados e Doutoramentos da UAL

Diário da República, 2.ª série — N.º 46 — 6 de março de 2014

Artigo 30.º

  1. Podem candidatar -se ao ciclo de estudos conducente ao grau de doutor:
    • a) Os titulares do grau de mestre ou equivalente legal;
    • b) Os titulares de grau de licenciado com um currículo escolar, científico e profissional especialmente relevante;
    • c) Os detentores de um currículo escolar, científico ou profissional que atestem capacidades para a realização deste ciclo de estudos.
  2. O reconhecimento a que se referem as alíneas b) e c) do número anterior é da competência do Conselho Científico, sob proposta da Comissão Científica do Departamento a que pertence o curso e tem, como efeito, apenas o acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de doutor.


Artigo 31.º

(Regime especial)

  1. Os que reúnam as condições para acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de doutor podem requerer a apresentação de uma tese ao ato público de defesa, sem frequência do ciclo de estudos.
  2. Os que reúnam as condições para acesso ao ciclo de estudos conducente ao grau de doutor podem requerer a substituição da apresentação de uma tese pela compilação, devidamente enquadrada, de um conjunto coerente e relevante de trabalhos de investigação já objeto de publicação em revistas com comités de seleção de reconhecido mérito internacional, de acordo com o disposto no Decreto -Lei n.º 230/2009, de 14 de setembro, e na alínea b) do n.º 2) do artigo 31.º do Decreto –Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto.
  3. Compete ao Conselho Científico decidir sobre os requerimentos apresentados ao abrigo dos números anteriores, após parecer da Comissão Científica do Departamento responsável pelo curso.

Artigo 32.º

(Candidatura à defesa pública)

  1. Os candidatos referidos no n.º 1) do artigo 31.º podem requerer a defesa pública da tese, através de um requerimento dirigido ao Presidente do Conselho Científico, acompanhado pelos seguintes documentos:
    • a) Requerimento segundo o modelo do Anexo IV ao presente regulamento;
    • b) Apresentação do projeto de tese segundo o modelo em vigor na UAL, ou de modelos alternativos que venham a ser aprovados pelo Conselho Científico, sob proposta das Comissões Científicas dos Departamentos;
    • c) Carta do orientador a declarar que aceita a orientação;
    • d) Fotocópia autenticada dos diplomas;
    • e) Curriculum vitae, de preferência, segundo o modelo europeu;
    • f) Fotocópia do Bilhete de Identidade e do cartão de contribuinte, ou cartão de cidadão;
    • g) Cartas de recomendação;
    • h) Outros elementos considerados relevantes, nomeadamente livros, partes de livros e artigos.
  2. Os candidatos referidos no n.º 2) do artigo 31.º podem requerer a defesa pública dos trabalhos, através de um requerimento dirigido ao Presidente do Conselho Científico, acompanhado pelos seguintes documentos:
    • a) Requerimento segundo o modelo do Anexo IV ao presente regulamento;
    • b) Fotocópia autenticada dos diplomas;
    • c) Curriculum vitae, de preferência, segundo o modelo europeu;
    • d) Fotocópia do Bilhete de Identidade e do cartão de contribuinte, ou cartão de cidadão;
    • e) Cartas de recomendação;
    • f) Cópia dos trabalhos compilados para a defesa pública.
    • g) Outros elementos considerados relevantes.
  3. A aceitação da candidatura pelo Conselho Científico é precedida de um parecer da Comissão Científica do Departamento responsável pelo curso, que pode impor ao candidato a frequência e aprovação nalgumas unidades curriculares do curso de doutoramento.
  4. A decisão sobre o requerimento a que se refere o n.º 1) deve ter lugar nos 30 (trinta) dias úteis subsequentes à sua entrega.
  5. A recusa da candidatura tem de ser devidamente fundamentada.

Ver Regulamento Geral de Mestrados e Doutoramentos da UAL aqui.


mapimg
Ligações úteis